sexta-feira, 30 de julho de 2010

So long, farewell

Hoje este blog marca uma nova fase.
Ficará sem ser atualizado porque terá um novo nome - outro link.
Quem quiser, por favor, me peça. Não pretendo divulgar aqui, tenho meus motivos.

Durante esses anos, lá se vão quase 8 (!!!) escrevendo, fiz muitos amigos, contei muitas coisas legais, ruins, irritantes, engraçadas, sarcásticas... inimagináveis...
Este espaço não acaba, só passa para um outro local por algum tempo ou muito tempo, não sei.

Sei que foram dias muito felizes, neste blog e fora dele.
Meu caminho no momento é outro, mas nunca esquecerei do grande número de amigos que nesses dias manifestaram seu carinho por mim.

Muito obrigada a todos!

Até àqueles que nem sabem que esse blog existe, mas que fazem minha existência mais feliz.
Estou muito feliz de saber o tanto de pessoas que realmente gostam de mim, que têm apreço pela minha pessoa, que se importam e que me valorizam.
Amo todos vocês e sempre vou querer o melhor para todos!
Até você aí que lê esse blog sempre e nunca se manifestou e que talvez eu nem saiba que você existe: obrigada! Obrigada por prestigiar esse espaço!

Obrigada Deus por ter tantas pessoas maravilhosas na minha vida e que me ajudam sempre!
Amém!

Felicidades pra todos nós! Sempre!






Bem, a cena que eu queria não era essa, mas a música sim (queria a cena que cantam essa no festival, antes de fugirem dos nazistas...).

Eu já disse que esse é um dos meus filmes favoritos?

terça-feira, 6 de julho de 2010

Vingança?

Não sei se posso chamar assim, acho que foi mais um desabafo...

No mês de junho estive totalmente de saco cheio do carandiru, vulgo escola, estava praticamente em ritmo de férias de final de ano - que você sabe que terá muito mais tempo longe do sofrimento.
Acredito que muitas pessoas na escola, principalmente alunos e professores mais próximos, perceberam a minha distância. Uma distância por vontade de acabar com aquilo o mais rápido possível, algo como uma "eutanásia trabalhística" rs antes que eu explodisse e joga-se meleca no ventilador...

Não sei se dará certo meu novo projeto de vida, mas é uma tentativa de quem não quer ser como os outros professores que não veem mais saida para a vida deles, a não ser continuar num trabalho desgastante, que ninguém reconhece, ganhar pouco e, ainda por cima ficar se lamentando da vida. Não quero isso pra mim, por isso estou tentando algo novo, totalmente inusitado, longe, mas que me tratá benefício, nem que seja apenas pelo gosto de passear pela Europa...

Quem me conhece sabe que eu sou assim: não consigo me conformar com as coisas, não gosto de ficar parada e não quero e, claro, estou sempre muito perplexa. Tenho sede de mudança.

Na última semana de aula com alunos, não aguentei...
Depois de ter passado o final de semana todo corrigindo trabalhos e vendo que um era cópia do outro, além de cópias descaradas da internet. Fiquei mais uma vez perplexa, raivosa de não conseguir aceitar como esses adolescentes, meus alunos, podem ser tão alienados e se acharem espertos!
Não me conformo de que as pessoas levem a vida como um nada, sem perspectivas, sem um pingo de entusiasmo, o único entusiasmo deles é sexo, drogas e funk... o que não ajuda muito.
Estão totalmente absorvidos pela mídia, muito mais do que no meu tempo de adolescente... cada geração piora, porque os pais não orientam! Eles tem grande culpa nisso, acham que dar um celular que faz pipoca vai tornar o filho dele melhor, melhor em quê? Na escola? Na vida?
De jeito nenhum! Os torna uns consumistinhas de quinta categoria, acéfalos que querem comprar tudo o que veem pela frente, seja coisas materiais como ideias prontas. A ideia pronta que você der a ele, ele compra, pode ter certeza! (boa essa, não é, políticos?)
Essa falta de pensar me irrita profundamente!
Pois, ao invés de usarem a tecnologia a favor deles, usam apenas como um "engana professora". E não enganam, nem a mim, nem a ninguém.
Alguns professores que aceitam trabalhos dessa forma também são culpados, sabem que se trata de um trabalho vazio, porque não leram nem entenderam nada, mas preferem aceitar do que pedir pra refazerem e terem outro trabalho de corrigir.
Eu tive esse trabalho.
Ao ver uma massa de cópias, chegar a dar zero para 35 alunos (!!!) de uma mesma sala de 47 estudantes. Fui obrigada a pedir uma redação para fazerem na hora como recuperação.
Pensei "cada um terá que escrever a sua, não dá pra copiar!".
Sim! Dá pra copiar!
Quando avisei as salas que teriam que fazer uma redação para recuperação a maioria chiou "imagina! eu não copiei! eu fiz pesquisa da internet, desse site sim, mas mudei" (copiaram linha por linha, palavra por palavra, até as erradas, pegam em site porcaria por aí...).
Mas eu me revoltei em uma das salas por conta do total descaso e apatia deles...
Eu não consigo ver adolescente como um ser "morto", não consigo conceber essa ideia, mas é o que eles parecem: mortos de tédio, um tédio mortal e irritante do tipo "acaba logo isso pra eu ir pra casa dormir e depois ficar batendo papo no msn"...
Um bando de zumbis vegetais... sim!
Pra mim adolescência é rebeldia e não vegetar!!
Cadê o teen spirit? É só a marca do desodorante do Kurt Cobain?

Comecei a falar sobre ser plágio esse tipo de coisa e riam "plágio!" nem sabem o que significa, mas acharam graça do tipo "lá vem a professora com palavra difícil pra encher o saco e dizer que o que fiz tá errado..."
Repetiam plágio e riam, falava sobre a proposta de redação que escolhi (Fuvest 99 - falar sobre a geração deles rs), faziam pouco caso, principalmente quando eu disse que se o Brasil fosse um país sério iriam pra cadeia ou os pais por plágio... e aí ficaram ainda mais blasès...
Aquilo me tirou do sério (eu já estava no limite da explosão).
Soltei a pérola: ainda bem que está acabando e quando vocês voltarem de férias eu não estarei mais aqui nesse país de merda! Não terão mais essa professora chata que quer tudo direitinho, bem feitinho, que quer que vocês aprendam algo com ela.

Todo mundo queria saber o que eu ia fazer, pra onde ia. Só disse: depois vocês ficam sabendo...

As redações foram mal feitas, a grande maioria, alguns usaram os mesmos exemplos que dei pra explicar o tema - descaradamente falaram o mesmo que eu - ou, sim, copiaram a ideia do colega. Tanto que se o colega saiu do tema, o amigo foi junto saindo do tema e indo pelo mesmo caminho do outro...
Novos zeros... acabei dando 2, 3 pra não ter mais trabalho e porque estava sendo sufocada, como os outros professores, para entregar notas, ajudar na festa junina e ainda querer avaliar a ajuda dos alunos nos preparativos da festa...
Como disse pra minha mãe: eu ganho menos de 7 reais a hora, não dá pra me cobrarem tudo isso! E mesmo que pagassem 100 a hora, não sou 3 pessoas ao mesmo tempo. Ainda mais numa escola que aluno faz o quer e passa no final e professor tem quase que pedir peloamordedeus para aluno entregar trabalhos, porque depois a coordenadora vem no pé (por causa do maldito bônus - notas azuis+ sem faltas = a aumento no bônus da escola = a mascaração da educação no estado, depois dizem que a educação aqui está cada dia melhor, cada dia melhor pra quem quer mandar num bando de alienados...).

Tudo isso me deixa irritadíssima, raivosa, revoltada...
Só sei que minha contribuição ao Brasil eu dei, só que ele não aceitou, o que fazer agora?
Ser faxineira e esperar receber mais respeito do que como professora...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Chegando perto o dia da minha nova escolha...

... e quando li esse texto, falei: nossa! era o que eu precisava ler!

TODOS SÃO CAMINHOS


“...Por que essa porta tão estreita, que é dada ao menor número transpor, se a sorte da alma está lixada para sempre depois da morte? É assim que, com a unicidade da existência, se está incessantemente em contradição consigo mesmo e com a justiça de Deus. Com a anterioridade da alma e a pluralidade dos mundos, o horizonte se amplia...” (Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo 18, item 5.)

Também os caminhos inadequados que tomamos ao longo da vida são parte essencial de nossa educação. A cada tropeço é preciso aprender, levantar novamente e retornar à marcha.

Tudo o que sabemos hoje aprendemos com os acertos e erros do passado, e cada vez que desistimos de alguma coisa por medo de errar estamos nos privando da possibilidade de evoluir e viver.

A estrada por onde transitamos hoje é nossa via de crescimento espiritual e nos levará a entender melhor a vida, no contato com as múltiplas situações que contribuirão com o nosso potencial de progresso.

Devemos, no entanto, indagar de nós mesmos: “Será este realmente meu melhor caminho?”

“Porventura é correta a senda por onde transito?”

É justa a observação e têm propósito nossas dúvidas; por isso, raciocinemos juntos:

Se Deus, perfeição suprema, nos criou com a probabilidade do engano, modelando-nos de tal forma que pudéssemos encontrar um dia a perfeição, é porque contava com nossos encontros e desencontros na jornada existencial.

Se nos gerou falíveis, não poderá exigir-nos comportamentos sempre irrepreensíveis, pois conhece nossas potencialidades e limites.

Se criaturas como nós aceitamos as falhas dos outros, por que o Criador em sua infinita compreensão não nos aceitaria como somos?

Pessoas não condenam seus bebês por eles não saber comer, falar e andar corretamente; por que espíritos ainda imaturos pagariam por atos e pensamentos que ainda não aprenderam a usar convenientemente, pela sua própria falta de madureza espiritual?

O que pensar da Bondade Divina, que permite que as almas escolham seu roteiro, de acordo com o livre-arbítrio, e depois cobrasse aquilo que elas ainda não adquiriram?

A Divindade é “Puro Amor” e sabe muito bem de nossos mananciais espirituais, mentais, psicológicos e físicos, ou seja, de nossa idade evolutiva, pois habita em nosso interior e sempre suaviza nossos caminhos.

Na justa sucessão de espaço e tempo, condizente com o nosso grau de visão espiritual, recebemos, por meio do fluxo divino, a onipresença, a onisciência e a onipotência do Criador em forma de “senso de rumo certo”, para trilharmos as rotas necessárias à ampliação de nossos sentimentos e conhecimentos.

Diz a máxima: “Não se colhem figos dos espinheiros”(1); ora, como impor metas sem levar em conta a capacidade de escolha e de discernimento dos indivíduos?

Efetivamente, nosso caminho é o melhor que podíamos escolher, porque em verdade optamos por ele, na época, segundo nosso nível de compreensão e de adiantamento.

Se, porém, achamos hoje que ele não é o mais adequado, não nos culpemos; simplesmente mudemos de direção, selecionando novas veredas.

A trilha que denominamos “errada” é aquela que nos possibilitou aprendizagem e o sentido do nosso “melhor”, pois sem o erro provavelmente não aprenderíamos com segurança a lição.

Nós mesmos é que nos provamos; a cada passo experimentamos situações e pessoas, e delas retiramos vantagens e ampliamos nosso modo de ver e sentir, a fim de crescermos naturalmente, desenvolvendo nossa consciência.

Ninguém nos condena, nós é que cremos no castigo e por isso nos autopunimos, provocando padecimento com nossos gestos mentais.

Aceitemos sem condenação todas as sendas que percorremos. Todas são válidas se lhes aproveitarmos os elementos educativos, porque, assim somadas, nos darão sabedoria para outras caminhadas mais felizes.

Mesmo aquelas trilhas que anotamos como caminhos do mal, não são excursões negativas de perdição perante a vida, mas somente equivocadas opções do nosso livre-arbítrio, que não deixam de ser reeducativas e compensatórias a longo prazo.

Cada um percorre a estrada certa no momento exato, de conformidade com seu estado de evolução. Tudo está certo, porque todos estamos nas mãos de Deus.

Pelo espírito Hammed, psicografia de Francisco do Espírito Santo Neto, do livro “Renovando Atitudes” (Cap. 42)

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Vida pública versus vida privada

Uma das coisas que mais me irritam - e olha que são várias as coisas - é a falta de educação com que as pessoas usam o celular. É irritante a mãe mandar o filho comprar pão, pedir pro marido comprar carne ou mulher brigando com o marido ou qualquer coisa... também tem a mãe que fica brigando com o filho, pra ele fazer lição ou ir pra escola... e os "mano falano das mina que pegaro"...

Eu não quero saber da vida dos outros!
Se eu ligasse pra casa pedindo pra comprar pão eu falaria o mais baixo possível!!! Morreria de vergonha!
Na verdade, quando eu estivesse perto de uma padaria - perto de casa - eu compraria e levaria...
Será que essa besteirada toda é porque uma operadora dá 30 reais todo dia pra quem tem chip dela?
Não sei...

Sei que já ouvi uma moça na lotação (olha que lugar bonito!) conversando com algum cara que transou e deixava bem claro que ele era nota 7, foi ok e que já transou com melhores - se achando a gostosa...
Acho que ninguém tem que saber da sua vida íntima dentro de uma lotação, ou tem?
É autofirmar-se? É exibicionismo? ou Joselitice???

E a outra moça que brigava feio com seu affair via celular no trem? Ela gritava com o cara e o vagão inteiro olhava pra ela... tudo dava a entender que ele deu um senhor fora nela... já sabíamos boa parte da história toda...
Hoje mesmo tinha uma menina no busão também na maior discussão... nem na hora de descer no ponto final  parou... continuou andando e brigando... "discutindo a relação".

Será que eu sou muito reservada? O problema é comigo?

Mas não é só no celular, outro dia estava no trem, sentada do lado de uma moça, aí chega uma amiga dela que fica de pé conversando. Notem, eu estava entre as duas, uma na janelinha e a outra em pé do meu lado.
O trem razoavelmente cheio e a moça em pé começa a contar da sua super ficada com um rapaz que trabalha com elas. Que ninguém estava sabendo, mas que ficaram na sexta, que ele era gostoso, que ele disse que ela era gostosa... uns homens sentados ao lado e outros de pé, só a encarando... (o tipo "macho do trem" pensa assim: tá facinho, opa!) e ela não deu outra impressão. Parecia que a vontade dela era contar detalhes ali mesmo: "ai, que corpo que ele tem!" ela estava quase gritando pra dar detalhes...
E falava: "ai, amiga! será que a gente vai ficar de novo?" aff
Depois continuou se achando a gostosa facinho do trem e falando que tinha outro muito interessado nela, que tinha dinheiro (auaahahahhha no trem? sério? auauahaha) e é louco por ela, mas ela não gosta dele, mas ia pensar no caso, ele trabalha de câmera man numa tv há anos... ai ai ai... ricaço! praticamente dono da tv junto com os bispos...

Outro dia também teve uma situação que eu achei extremamente engraçada, uma mulher lia uma dessas revistas femininas, mas daquelas de 1,99, sabem?
Ela estava em pé, eu também, só que um pouco distante dela, ao redor havia um monte de gente, claro, trem cheio e os homens começaram a ler com muita atenção por sobre a revista dela rsrs
O tema?
Era muito engraçado!
Tipos de pênis e como agradá-lo!! rsrs
Então, tinha os desenhos dos formatos - desenhos grandes, vi de onde estava - e quais seriam as melhores posições para cada "amiguinho"...

Tive vontade de rir, porque até os marmanjos queriam saber o que dizia ali e outra: putz! ler sobre pênis no meio de um monte deles, assim? Descaradamente? rs
Só no trenzão mesmo...

sexta-feira, 28 de maio de 2010

A Professora Muquirana e a Eventual Acéfala & outras histórias do triste quadro do magistério do Estado de SP

Tem coisas que me revoltam muito.
Eu nasci revoltada e devo morrer revoltada.
Eu reclamo sempre das condições de trabalho das escolas do Estado, mas também mostro o outro lado, o lado negro da força, das mesquinharias que tornam o "Império" mais forte e, nós, rebeldes com causa, mais desacreditados.
Já contei aqui a história da Velha Muquirana e ela continua a aprontar, infelizmente (pra nós da escola) ela inda não se aposentou e fica lá se queixando. Votande de dar uma voadora naquela velha reclamona!

Pois bem, ela sempre reclama, fala que os professores deveriam se unir "precisam fazer alguma coisa, aonde isso vai parar?" e outras baboseiras dignas de quem dá nota até pra aluno desistente, só pra não ter trabalho nenhum em reunião e etc e continuar falando mal dos alunos como se fosse uma professora exemplar.

Daí veio a greve, ela não reclama tanto? Está aí o momento para se reunir e lutar por seus direitos, certo?
ERRADO!!!!
A dona muquirana não fez greve, porque precisa dar dinheiro na igreja ($$) na qual participa. Dizia: "ah, mas eu tenho minhas obrigações com a igreja, depois quem vai me ajudar?"
Eu eu respondo: não seria a igreja? Afinal, templos idôneos ajudam seus fiéis em momentos difíceis.
Duas professoras protestantes disseram isso pra ela, pois as igrejas delas pregam isso.
A velha pão dura ficou brava! (infelizmente eu não estava lá pra dar minha "cortada mortal" nela...)
Começou a discutir com os professores, só que ninguém a estava obrigando a fazer greve, é escolha de cada um, no fundo ela se sentia culpada por não participar, talvez ou sabia que os motivos dela eram muito fajutos e ainda emendava "eu sempre fiz greve!" mentira, porque eu nunca vi... agora quer o quê? que incorporem as gratificações do salário para ela se aposentar com um salário um pouquinho mais alto - a bisp*... agradeceria... -, mas ela nunca trabalhou pra isso... acho que o salário que ela receber quando se aposentar vai ser melhor do que ela mereceria.

Depois disso ela dá aulas e fica na dela.
Um dia infernizava com as lamentações dela a inspetora, que saiu correndo da mesa dela e falou que não aguentava mais aquela mulher na secretaria resmungando. Ninguém aguenta a chatice e caduquice dela! Ela dificilmente fica na sala dos professores, o que é ótimo, econimiza meu estress e dos outros.

Uma figura insuportável na escola é uma nova eventual.
Se eu a chamar de ameba, vou estar xingando a ameba...
Ela só denuncia o estado que chegou a educação, porque se alguém que está se formando (!!!) em Artes e será professora está assim, então a educação acabou mesmo, apagem logo a luz!
Ela chama todo mundo de "mano", começa aí... daí pra um 'aí é pobrema...' ou "craro, você queria o quê?"
Entre outras bizarrices (não saberia nomear de outra forma).
Alguém que sai de uma faculdade (???) assim, é porque a coisa é muuito grave e só tem a piorar.
Imagine seu filho, sobrinho, etc tendo aulas de Arte com a professora Acéfala?

Pessoal, nois começa agora falanu do Van Gogh, ele cortô a oreia fora! vixi, mano! o cara era doido! brisava muito! ele chamavasse (ela escreveu assim, cheguei na sala estava escrito essa palavra na lousa, sendo usada desta forma) assim pruque ele era holandeiz, lá da terra que vendi maconha pra todo munu. Devi di ser poriço (rss) que ele brisou a ponto de rancá a oreia fora!

Uma das frase mais lindas que ouvi da boçal foi a seguinte:
"Ah, eu gosto do Serra! Ele é palmarense qui nem eu." (vergonha da torcida duas vezes rs)
Bem, se ela vê a condição da escola e gosta do Mr. Burns o que eu posso fazer? Chorar? Rezar?
Fugir!!!!

Parece que este ano a escola recebeu os seres mais estranhos vindos de uma galáxia muito da folgada...
Há um professor Física viciado em internet, ele passa a maior parte (ou toda) da reuniões pedagógicas na internet, hoje, como a semana toda tiveram reuniões na escola e poucos alunos vieram pra aula, ele se aproveitou desse fato e ficou na sala de informática dos alunos!
Fingiu que ia pra sala de aula e ficou na sala de informática, quando a coordenadora e a inspetora viram, ficaram loucas com ele e a desculpa: "eu tenho um grupo no yahoo, uma lista de discussão para tirar dúvidas dos alunos (sei! acredito em papai noel também) e eu estava os ensinando a entrar, entendeu?"
Se ele não fosse viciado em internet -  a ponto de usar o pc da coordenação enquanto todos os outros pcs estavam ocupados por nós professores digitando nota - eu até poderia dar um desconto...
A coordenadora correu com ele da sala dele, deu um senhor sermão em alguém que deveria ter um pouquinho de ética, só um tiquinho, né?
Mas além de tudo, ele é uma pessoa chata, quando ele chega todo mundo já torce o nariz, ele se mete nas conversas pela metade, fala coisas nada a ver... um chato!

Outra figura muito interessante que chegou esse ano é um eventual que fica a tarde.
Bem, se ele, com aquela cara de velho, ainda é eventual, então está na última escala dos professores...
Não, não estou sendo preconceituosa, leiam o resto!
Estava eu terminando de fazer algumas coisas na sala dos professores, já tinha passado do meu horário e já entraria o período da tarde (ah! tem um menino na 5a série que se chama "Railander", lindo, né?). Este ser chega bravo com os professores que estavam em greve: "ah, eles fazem greve e eu não posso ganhar o meu e entrar na aula deles!"
Até onde eu sei a greve era pra defender justamente um tipo desses que ano que vem ou 2012 ficará fora da sala de aula, porque não há mais contrato que dê estabilidade a professores não concursados, acabou! Um ano sem poder dar aula... mas uma figura dessas nem sabe o que é isso, só quer entrar em sala, deixar os alunos bagunçarem em ganhar sua miséria de todo mês, capaz de votar no Mr. Burns também, tá tudo ótimo mesmo, né?
E outra coisa, como a greve foi dada como legal, não podem entrar eventuais em sala dos professores em greve. Quer dizer, alguém luta pra esse mesquinho ter direito a estabilidade e ele quer é ganhar o máximo de dinheiro que pode nas costas daqueles...
E ainda falava que tinha sido motorista de ônibus (e quico?).

O grande problema é que, no Brasil, professor é uma profissão fácil (só dá 4 horinhas e vai embora - ou será que vai pra outra escola?), ninguém vê como uma profissão que exige muito da pessoa (estudo, jogo de cintura etc) todo mundo vê como um "dinheiro fácil" é só ficar ali algumas horas aturando uns alunos...
Ninguém vê que esse "dinheiro fácil" não é tão fácil e nem merecido, merecíamos mais, mas enquanto for vista dessa maneira a minha profissão atual, infelizmente, ela vai se encher de velhas muquiranas, eventuais acéfalos e fominhas, e viciados em internet que tem uma boa desculpa pra fazer da escola sua lan house...

Ou seja, o Império ainda está na frente nessa batalha...

domingo, 2 de maio de 2010

Vários assuntos num só post

Só faltam 3 meses para eu sair do Brasil... é uma mistura de ansiedade de pôr tudo em dia, me organizar e ansiedade do que me espera...

No momento tenho algumas coisas que pretendo fazer, como doar algumas coisas e confiar coisas a alguns "guardiões" merecedores de tal ato...
Bem, a minha ideia de vender coisas não foi pra frente, dá trabalho organizar, catalogar e tal... as coisas que pretendia vender, claro, não é tudo que quero vender... algumas pretendo um dia ter comigo de novo e outras confiar a alguns amigos que sei que guardarão e usarão com carinho as coisas, se eu voltar, tenho certeza que devolverão - se é que eu vou pedir, é quase presente mesmo rs - e se não voltar, ficarão como uma lembrança minha, do meu amor por estas pessoas.

Meu irmão vai se dar bem, impressora e a mala menor já ficarão com eles... vou ver o que mais ele vai levar...
Meus cds não pretendo vender, doar ou confiar a ninguém, ficarão queitinhos me esperando, quem sabe... livros ainda não sei, dvds tenho algumas ideias...

Meus alunos roqueiros gostam de mim!
Esta é conclusão que cheguei, afinal, vou com camisetas de bandas e comento com eles bandas e músicas.
Outro dia uns alunos do segundo ano faziam uma espécie de Stop! de bandas: escolhiam uma letra (como na brincadeira de Stop: conta-se os dedos das mãos que são colocados pra jogar) e saiu a letra "L". Daí eles falavam "Link Park" e o outro "Legião Urbana" e o terceiro: "Pô! essa você desenterrou" e aí eu me meti na brincadeira:
"Led Zeppelin! se quer tirar poeira, vamos lá!"
"Putz, professora! E eu não lembrava de nenhuma!" (isso porque achou ruim falarem em Legião Urbana rs).
E eu: "tenho mais uma Lynard Skynard" e o primeiro: "é liner skiner que fala? pensei que era lainer skainer! legal!"
E o mocinho que reclamou do Legião me encontra depois da greve e diz: "pô professora, o Led Zeppelin ainda tá enroscado aqui rsrs"

Também tenho que comentar da greve por aqui... e das professoras "velha muquirana" e mais nova: "a eventual acéfala"... merecem um post enorme!

O outro, do Lynard Skynard, veio me dizer, dia desses, que comprou um dvd do Led Zeppelin de um show de 1975 e que amou! Nem eu vi, mas que bom que influencio bem rs
O que eu chamarei de segundo na turma do Stop ficava com o celular no ouvindo, tocava Red Hot Chilli Peppers e eu "vamos desligar o Red Hot! Nada de Californication agora!" e ele ficou todo contentinho por que eu gosto e conheço os Chilli Peppers rs
Outro, de outra sala, vem com a camiseta de Help! dos Beatles e eu "gostei da sua camiseta!" outro dia ele vem com The Who e sabe "Who are who" ... na outra semana, The Cult e ninguém sabia pronunciar... ainda brinquei com ele falando de um moleque vesgo que anda fazendo sucesso aqui no Brasil e graças a Deus ainda não ouvi música nenhuma dele, só soube que ele era vesgo rss e brinquei com o nome do molequinho canadense: Justino Bebê rsrs só eu pra aprontar assim... neste dia ele estava com a camiseta do Led Zeppelin e contei a história na outra sala do Stop!
No terceiro ano tem um aluno meu que já contei no antigo blog, ele é fã de The Clash e Ramones, adora punk rock e eu sempre o chamo por "Hey Ho! Let's Go!". Ele e os amigos me perguntavam se eu fui no Metallica, não, eu não fui...
E as meninas me perguntaram (de todas as séries - e eu nem imaginava que o Coldplay era tão conhecido assim rs) se o Chris Martin é bonito pessoalmente, como se eu o tivesse visto do meu lado, tá... em Shiver ele estava super perto, mas os ogros me atrapalharam bem... mas foi um grande show...

Isso porque eu não contei pra eles que já vi o Green Day!!! Bem lembrado rs

Faz um ano que estive em Paraty e a cidade merecia um lindo post, assim como o show do The Killers e do Coldplay, estou devendo...

Sai da revisão, ando muito mal da visão... tenho exames pra fazer então preferi me resguardar... tenho percebido cada vez mais dificuldade de ler, a cabeça dói e enquanto não fizer os exames - que estão marcados e demora a chegar minha vez - não posso mudar o grau e isso tem me prejudicado muito... dor de cabeça todos os dias e fico muito irritada...

Andei deprê esses dias...
Tenho conseguido me manter bem na maioria das vezes, mas há coisas que nos derrubam e derrapei... estou beeem melhor agora, organizando minha vida pra nova fase que não terá essas coisas que me desabam por perto e espero que não venha a existir outras para fazer isso, mas a vida é cheia de obstáculos, não posso sonhar com tudo perfeito, vou ter que continuar firme e enfrentar todas as "armadilhas" da próxima fase da minha video-game life.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

A ficha caiu...

... e o pânico chegou!

Não, não o programa de tv, o sentimento mesmo.

Agora está ficando mais real minha decisão de ir embora do Brasil e o medo começa a aparecer. Está mais perto minha ida, as coisas já estão bem mais acertadas e eu só consigo sentir muito medo!
Medo de ficar sozinha.
Eu que sou tão antissocial não consigo ficar longe das pessoas que amo...

Uma coisa que andei percebendo é quanto meu "antissocialismo" fala mais alto.
Estava fazendo um curso e pensei que não iria falar com ninguém, fazer amizade com ninguém. Eu sempre penso isso em tudo o lugar que vou seja curso, trabalho etc. Sempre acho que não vou me enturmar, e enturmo.
Talvez seja o mesmo agora, eu vou me enturmar, no final das contas, mas até lá é uma grande barreira a transpôr.
Agora não adianta eu pensar o quanto vou me sentir sozinha, já estou antes de ir!!!
Só que minha vida aqui é uma droga... preferia mil vezes ter um outro emprego que me desse alguma alegria - ou me pagasse bem - e depois só sair do Brasil a passeio, de férias...
Por mais que eu fale mal do Brasil, eu nasci aqui, é onde estão as pessoas que me acompanham uma vida inteira, é onde tenho uma história.
Sozinha é muito difícil, mas agora é tentar...

O jeito é apelar:

Expectro Patronum!!!!!

E se nada de certo...  se o meu medo me pegar mesmo de jeito... nem invocando meu patrono... então:
Hello, Brazil!

p.s. A única coisa que eu não ligo é largar a escola... essa eu não vejo a hora de me livrar!!

sábado, 27 de março de 2010

Eduardo e Mônica

Ele é calmo, tranquilo, resolve as coisas pensando bastante.
Ela é brava - tinha que ser baixinha - ansiosa, resolve no ímpeto e no impulso, pensa muitas vezes, mas o impulso sempre é mais forte.

Ele tem um milhão de amigos.
Ela é antissocial.
Todo mundo gosta dele, o considera por ser o amigão.
Todo mundo gosta dela, adoram seu sarcasmo e o "fala na cara".

Sinceros, ambos são, cada um a sua maneira.
Ele conversa, jogo aberto.
Ela abre o jogo quando desabafa ou fala o que vem na cabeça.

Ele é fechadão, guarda os sentimentos pra si, só se abre quando vê que é inevitável e ainda assim reluta.
Ela é meio fechada, já foi mais, guarda demais as coisas e acaba falando tudo quando remoe demais e explode.

Ele tem segurança em várias coisas e ela tem segurança em outras coisas.
A insegurança no item de um é a segurança no item do outro.

Ouviriam música o dia inteiro e falariam o dia inteiro sobre bandas que gostam, ou veriam dvds.
Das que um gosta e o outro não, não falam ou evitam.
Cantariam e dançariam boa parte das músicas favoritas em comum.
Ou ela dançaria e ele veria com um sorriso no rosto.

Adoram o inverno, um friozinho bom que une mais.
O verão só é bom na piscina, na praia.
Ela com muito protetor e ele ficando vermelho.

Fãs de seriados, de filmes, que nem sempre agradam a ambos, mas se divertem mesmo assim.

Ela adora um "fru-fru", mandar beijinhos, agradinhos, frescurinhas.
Ele é sério, gosta de receber, mas não leva jeito pra retribuir.

Ela se emociona pra falar algo muito sério ou fica sem jeito.
Ele talvez fique sem jeito, mas fala com o coração.

Ele adora "outra loira".

Ela odeia todas as outras loiras que não sejam ela, mesmo que seja uma simples bebida.

Ele não gosta de trazer problemas, prefere resolvê-los sozinho a preocupar alguém.
Ela gosta de saber, de compartilhar e estar ao lado, mesmo que ele tente driblá-la.

Ela disse "eu te amo" numa despedida.
Ele disse "eu te amo" num reencontro.

Ela não consegue se desprender.
Ele deixa livre quem ama.

Blur, Radiohead, e tantas outras bandas os uniram.
A distância física os separa.
Até quando?

sexta-feira, 12 de março de 2010

Mansidão

Esses dias uma pessoa falou essa frase perto de mim e acho que é assim mesmo que devo estar vivendo nos últimos tempos:

Amo a liberdade, por isso deixo as coisas que amo livres. Se elas voltarem é porque as conquistei. Se não voltarem é porque nunca as possui.

(Dá um trabalho dar um dono pra essa frase - e todas as outras na  internet -  foi atribuida ao John Lennon e num outro site ao Bob Marley rs é como todo o texto "engraçadinho" que mandam por e-mail e dizem ser do Luis Fernando Veríssimo... )

Tenho me sentido tranquila, segura. A ansiedade parou, a paranoia também, acho que deixar as coisas fluirem fazem bem para mim. Por mais que eu não tenha querido aceitar anteriormente é assim mesmo, se eu conquistei as coisas voltarão. São pra acontecer. E torço para que aconteçam.
Torço muito e sigo em frente até o caminho cruzar de novo com o que mais amo.

Estou me sentindo muito bem e isso deve querer dizer que estou no caminho certo. Amando e seguindo.

...e como diriam aqueles seres inomináveis (rsrs vou ter que dar o braço a torcer pra eles):

Vou levando assim/
que o acaso é amigo do meu coração *

* O Velho e o Moço, Los Hermanos

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

As portas do post anterior

A dúvida andou me corroendo, mas a decisão já foi tomada.
Sei o que deixo, sei o que levo, sei o que quero, sei o que amo - e muito!

Acho que sei quais são minhas vontades, necessidades e desejos.
Estou mais calma agora, acho que com a cabeça no lugar.
No momento não dá para ter as duas coisas, vou tentar conquistar uma e ver, se a partir dela, eu consigo, depois, no futuro (e espero que não muito longuíquo) chegar até a outra porta.
A outra porta vai ficar ali, espero que se eu vier a bater no futuro eu possa entrar... só que ela vai ficar lá, vai poder deixar quem quiser entrar e então eu vou ter que deixar, assim como ela deixou que eu escolhesse a outra porta.

Andei vendo que sou meio 'driftwood' - lá do Travis - fico vagando e espero que quando terminar de vagar pelas águas que vão me despedaçar e me tornar mais forte eu encontre o meu lugar, aquele que eu acredito pertencer.
No momento é seguir, um força de vontade que faz eu me mover, uma necessidade de conhecimento e saberes me aguarda e o meu desejo vai ficar bem guardado esperando chegar o momento certo.

...e agora, estou quase numa nova fase do vídeo-game life... logo troco de fase e espero encontrar o pote de ouro que deixei passar nesta etapa, na próxima... ou numa terceira fase... afinal, video-game é assim, né? pode ser que eu consiga esse pote de ouro na próxima... que ele apareça ali de novo e eu vou agarrá-lo com muita força! E não soltarei mais!

Porta com o pote de ouro, não desisti de você! Só vou te encontrar mais tarde!
Se a vida ainda me fizer te encontrar, serei muito feliz!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A porta da Esperança ou dos Desesperados?

Tenho passado por uma fase delicada ultimamente.
Eu que parecia tão certa de mim, de tudo que queria pra mim, de ter tudo já sob controle, vi que não tenho controle sobre muita coisa, principalmente sobre coisas que me fariam muito feliz.

Sabe quando você tem que escolher coisas?
Eu tinha feito uma escolha, crente que era a melhor.
E aí vem a vida e me põe numa encruzilhada, algo como entre escolher dois caminhos, duas portas: a da esperança e a dos desesperados rs (mas eu considero as duas da esperança rs)

Você já esteve na encruzilhada para escolher entre as duas coisas que mais você já quis na sua vida? As duas coisas que lhe são as mais importantes e não pode conciliá-las?
Infelizmente é isso que acontece comigo, apesar do ótimo Carnaval - inesquecível - ter decido e ter acertado muita coisa eu não deveria me lamentar, mas eu ainda guardo comigo esse sentimento de "por que sempre comigo?".
Sabe?
Uma coisa meio pessimista que eu fico remoendo mesmo! Admito!
Estou remoendo e naquelas "ah, porque isso... ah se isso fosse assim..."
"Ah! se eu ganhasse na mega-sena..."
Infelizmente não dá e eu estou fazendo um esforço hérculeo de ser racional. Coisa que talvez eu nunca tenha sido na minha vida. Sempre fui muito "passional", impulsiva e está na hora de pôr a cabeça pra esfriar.
Se vou conseguir?
Não sei, mas tem coisa que não dá para abrir mão assim...
Eu abriria mão de muita coisa por esta escolha, mas não quero culpar ninguém se me arrenpender depois - apesar de ter certeza que não iria me arrepender -, que teria outra chance, diferente, mas outra...

As coisas foram decididas, por mais que me doa, é seguir em frente e torcer por uma "roda viva" que coloque, um dia, as coisas no lugar que desejo, sonho e quero muito.

Desejo, necessidade, vontade.
Titãs tem algo de Freud e espero que me expliquem e me ajudem nessas três ideias básicas que regem as nossas vidas: nossos desejos, nossas necessidades e nossas vontades.
Eu sei o que desejo, sei quais são muitas vontades e tenho que pensar muito nas minhas necessidades...

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Midlife Crisis

Estou aqui mais uma vez desabafando pelas besteiras que faço...
Eu sou ariana demais com esse meu jeito explosivo, só tenho machucado pessoas que amo e a mim.
Ando muito cheia de dúvidas com o meu futuro, tenho medo, já não sei o que estou fazendo mais. Só fiquei me sentindo triste por puro medo.
Acho que vou pedir um ansiolítico por meu médico, não tá dando assim!

Também estou refletindo sobre o caso "Peter Pan" acho que eu sou uma Sininho no final das contas... falo tanto dos outros, mas eu sou infantil e adolescente/aborrecente demais!
Afinal, quantas mulheres da minha idade tem a mesma rotina infantiloide que a minha: orkut, msn, twitter, show, seriado etc etc etc ?

Eu também não amadureço, não cresço, pareço um bebê chorão resmungando da vida e depois culpo os outros.
Quando eu vou deixar de ser a "Menina" Enciclopédia?

Um oferecimento:

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Peter Pan na Terra do Nunca pra Sempre!

Meu "empreendimento" CSL agora tem uma novo "ramo" o "Peter Pan volte para a Terra do Nunca, o Nunca é o seu Lugar!" rss

Eu fico pensando que eu devo ter um imã pra caras infantis que não querem crescer... É sério!
Numa semana só - há uns 15 dias mais ou menos - recebi dois convites para assistir Avatar, quem lê meu twitter sabe que já peguei birra daquele filme...
É assim, se um cara tá afim de você, vai querer que você vá com ele no cinema, ficar de óculos 3D pra ver monstro azul? Ah! por favor!
Não, não tô falando que o cara deva me atacar durante o filme: se eu fui ao cinema, quero ver o filme e quero ver um filme que me interesse e não bichinho azul em 3D...
Tudo bem, não fui com o primeiro porque não tenho interesse nele, um cara que me paquerava quando ainda era casado está fora na minha lista só por esse motivo... fora que é baixinho rs praticamente da minha altura rs

O segundo me paquera também há bom tempo e sempre, sempre, desmarca ou não quer ir nos lugares que convido para ir com meus amigos...  sempre tem o rpg, o encontro dos gibis, todas aquelas coisas nerds e infantis...
Daí resolvi dar a cartada final, o convidei para o filme do Sherlock Holmes. Tudo combinado e aí ele me liga dizendo, quando eu estava me arrumando, que não ia dar porque a mãe dele o chamou para ir no Parque do Ibirapuera com ela o padrasto... e ele, o nerd, estava muito afim de ir!!!!!

Bem, ser trocada pelo passeio no domingo no parque com papai e mamãe foi a gota d'água: se os homens não tem nada em nenhuma das cabeças, não sou eu quem vou fazer ter...
O que eu fiz? O exclui sem dó nem piedade da minha vida... se eu tivesse feito isso sempre, com todos os imbecis que apareceram na minha vida, eu teria sofrido muito menos, mas acho que precisei sofrer com os outros pra aprender a lição.
A lição é: não leve a sério Peter Pan, ele não quer crescer! E não te leva a sério mesmo que seja apenas para ir ao cinema...
Lição aprendida, aí vai a dica: deixe o cara esperando você marcar de novo com ele dia de São NUNCA!
Afinal, Nunca é a terra dele, não é?
Que fique lá e brinque pra todo o sempre!
E esqueça que eu existo, porque eu não sou a Sininho! Muito menos a Wendy!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Desabafo

Estou com uma dúvida cruel...
Desde que o ano novo começou, várias coisas aconteceram, não começou fácil...
Já chorei até de raiva por conta de uma prima minha que eu considerava muito e me deixou na mão quando eu mais precisava dela... foi muito triste pra mim...
Depois, 9 horas pra voltar pra casa de Ubatuba com um motorista ridículo, machista e imbecil... (ele merece um post).
Meu pai desde o final do ano com cólica de rim e nada se resolve quando não se tem um bom plano de saúde... e fica-se na espera... espera dos exames, espera do resultado deles, espera pra marcar consulta... espera, espera, espera...
Meu cartão do banco foi clonado, fiquei sem todo os meus salários de dezembro (abono) e janeiro... tô sem um tostão esperando que resolvam...

O que eu mais tenho certeza é que meus planos estão engatilhados, mas... outras coisas acontecem e aí eu não sei como resolver...
Bem, tentei na verdade resolver: pus meu sonho acima de tudo, na ânsia de não mais sofrer e, agora, estou aqui, meio que sofrendo por não saber se o que fiz foi o melhor...

O meu grande problema e que ainda não consegui dar conta é ser muito "8 ou 80", nunca há meio termo pra mim e eu estou pensando muito neste meio termo... talvez fosse melhor neste momento... e em tantos outros da minha vida.
Mas já ataquei de 80, não dá pra ser 8, vou tentar ser 40... mas eu não sei o que estou fazendo. Eu não sei o que vai dar e tenho medo. Já estava com medo, agora, piorou...
Fui tão 80 que soltei todos os cachorros possíveis e imaginários...
E aí o 8 começa a bater aqui: menina, olha, será que é isso mesmo?
Não dá pra ser 8 e fiz mal em ser 80 (será que fiz mesmo mal? também não sei!)
Será que eu consigo entrar em acordo comigo e com a pessoa que eu soltei os cachorros? Será que é isso mesmo que eu quero? Será que vale a pena tentar?
Será que o acordo que quero propor vale a pena e será que a pessoa ainda vai querer me ouvir depois de tudo que eu disse?
E olha, disse tanto, mais tanto que acho que desabafei pra várias encarnações...
Acho que nunca serei uma pessoa zen, sempre uma ariana afoita pra briga... já com os chifres apontados pra o "opositor"...
E aí eu sempre lembro que uma frase do R.E.M. sempre me serve como uma luva: I've said too much/
I set it up... mas... I've said too much/I haven't said enough (será que eu não disse o bastante? acho que sim)... mas o que fazer? eu não sei... o medo de sofrer é grande...
fico eu e a dúvida e o medo aqui...
The bad (eu), The doubt and the Fear...

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Resumão?

Bem, em breve, com as férias, devo fazer um resumo do que faltou eu contar aqui, como Paraty, BH 2: a missão, show do Killers... virada do ano com chuva e trânsito de 9 horas pra voltar pra casa...
Alguns programas de índio, outros até que não... ou será que todos eram programas mesmo é de paulista rs porque paulista só se dá mal na virada rs